Neste MotherChip #111 recebemos mais uma vez Pedro Falcão, deste vez para conversamos sobre seu recém lançado documentário Parelelos. O curta, que também foi escrito e dirigido por Hugo Haddad, disponível gratuitamente no site da Red Bull, explora a história da indústria dos videogames no Brasil, especificamente olhando para o nosso nascimento ao lado da pirataria. Falamos sobre detalhes de sua produção, histórias que acabaram não entrando na edição final e de nossa perspectiva ante esse nosso passado. Fora isso, achamos tempo também para discutir sobre Watch Dogs 2 e Dishonored 2.


Assine o nosso feed ou baixe o MotherChip #111 e escute no seu player predileto

Participantes:

Henrique Sampaio
Heitor De Paola
Pedro Falcão

Assuntos abordados:

0 min – Watch Dogs 2 (bem por cima)
6 min – Paralelos e pirataria
80 min – Watch Dogs 2
110 min – Dishonored 2
127 min – Emails

Música do final: Hudson Mohawke – FUSE
Siga a nossa playlist no Spotify

O Overloadr é um site movido a amor, a uma incrível comunidade e crowdfunding, especificamente via Apoia.se. Para entender por que deixamos o Patreon, leia nosso FAQ. Se você gosta do nosso trabalho, considere contribuir com nossa campanha de financiamento coletivo.

Envie emails com perguntas e sugestões para: motherchip@overloadr.com.br

  • Bruno Gonçalves

    Cara o documentário ficou incrível mesmo, deu vontade de consumir mais informação sobre o assunto.

  • Gabriel PS

    FODA demais o cast. Esse doc sobre a história brasileira dos videogames PRECISA ir pra frente. É muito fascinante.

  • Anderson Nogueira Martin

    Nice a discussão dessa semana, o Paralelos é bem massa, vi essa semana.
    Das internets, que caga tudo é o PING que depende da localização física/conexão direta com o servidor.
    Maioria dos jogos com server no Mid-West/West Coast americano dão 130ms~200ms de ping aqui no Brasil.
    Sendo o ping o tempo em que uma informação sai do seu pc vai até o server e volta (em milissegundos). E tem pior, Oceania é horrível em estrutura de servidor, normalmente eles tem que jogar em servidor americano porque os japoneses (que são mais proximos) são em ‘japonês’. Ping bate mais de 400ms pros Australianos.
    É isso aí que o brother do email falou, teu pc fica com os dados pesados (o jogo em si) e o que vaia e volta são os comandos, coordenadas, que são mandados por pacotes pequenos, então 1MB DL, 500Kb de UL funcionam (na maioria dos casos).
    O que acontece pra reduzir o lag (ping) pode ser a instalação de um server no Brasil ou um link direto de um hub no Brasil pro servidor no país que ele está.
    (Link direto é caro hahaha)

  • Jonathan Menegalli

    isso n é uma reclamação é só uma curiosidade mesmo: vocês mudaram de estúdio ou de microfones? o som ta um pouco mais aberto (eu prefiro assim até)

  • FHC

    Cacete, por um momento eu achei que o último email era meu e fiquei tentando lembrar quando tinha escrito ele. Mas a verdade é que era só coincidência. ‘-‘
    Quantos Fernandos Henriques será que escutam o Overloadr?

    • Márcio Barbosa

      No mínimo 2. 😛

    • Fernando Henrique Rosa

      Era meu. Sério.

      Aliás, tive até que reduzir a aceleração no aplicativo para entender o Heitor lendo.

  • luizpaulosantoscruz

    Provavelmente vocês falaram no personagem Biff que tem é refêrencia ao Trump, mas só por precaver:

    http://www.e-farsas.com/o-filme-de-volta-para-o-futuro-previu-vitoria-de-donald-trump.html

  • Michael Pereira

    O Henrique comentou sobre o console que tinha uma tampa, que deslizava para aceitar as fitas Americanas e japonesas do Nintendinho. Então, o meu éra exatamente assim, o Dynavision III. Várias memórias sobre locar fitas que vinham em japonês, já que a mesma aceitava os dois modelos. https://uploads.disquscdn.com/images/b04641e1f5636b75b0b32303e661ffbd866204b6f3f2b68dad889d0991adef58.jpg

    • riquesampaio

      Sim! E me falaram também do Turbo Game, que era o que eu jogava na casa de um amigo.

    • Esse controle não é o original dele, não. Eu tive esse, na sua versão original, e ele vinha com dois controles em forma de manche, com UM botão A (no topo) e TRÊS botões B (no gatilho e os dois da base). E tinha chaves embaixo dele para ligar/desligar o turbo do A e do B. Mas o que eu mais curtia nele era o fato de ter saídas para fones de ouvido direto no controle!!! EU podia acordar cedo, tirar o volume da TV e jogar sem fazer barulho e sem acordar os meus pais 😀

      Edit: esse aqui

      • Michael Pereira

        Sim, Eu tive um controle com essa versão, mas depois que quebrou, tivemos aqueles com a versão mais tradicional. E a pistolinha pra jogar Duck Hunt, não lembro de outro jogo que utilizava. XD

        • O “legal” dessas pistolas é que era muito fácil trapacear. Bastava apontar a mesma para uma luz forte na hora de atirar, que o tiro era certeiro 100% das vezes (a tecnologia funcionava na base de APAGAR tudo da tela, menos o alvo ativo, e ver se o sensor ótico da pistola pegou alguma coisa) 🙂

  • O Paralelos foi foda, e a participação do Pedro sempre agrega muito conteudo aos casts, principalmente logo apos ter saido o documentario. Decisão muito acertada

    Só fiquei muito curioso pra assistir/ouvir o material extra do Paralelos, que a unica reclamação que eu tenho é que ele é muito curto D: (mas eu entendi os motivos dele ser curto). Espero que não demore muito pra sair o longa (ou só essas conversas mesmo, no youtube ou no site da Red Bull mesmo).

    Aliás, não sei se seria uma reclamação, mas eu realmente não entendi a participação do Emicida no documentário. Os comentários dele (e praticamente dos outros musicos tb) não agregaram em praticamente nada. Talvez se tivesse um pouco do papo da pirataria no meio musical teria sido mais relevante

  • Marcelo

    Qual o site para jogar o remake do jogo da Mônica?

  • Olha lá o Rique confundindo Phantom System com o Turbo Game da CCE (que esse sim, tinha os controles invertidos e quatro botões: dois A e dois B, um par normal, o outro par sendo os Turbos :D)
    E os dois consoles da CCE, assim como o Dynavysion III, tinha as duas entradas de cartucho, selecionáveis arrastando a tal tampinha para frente ou para trás

  • Desencanem de quem reclama que as pessoas não memorizam mais as coisas e apelam pra internet. Na época que livros começaram a se tornar comuns como material para registro, séculos atrás, alguns falavam EXATAMENTE A MESMA COISA, que o livro iria fazer com que as pessoas não quisessem mais memorizar as coisas, tornando-as preguiçosas 😀

  • Henrique Alves

    ahhhhhhhhhhh agora ja sei de onde ouvi o participante gamer do BBB kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk