Estamos de volta! Após deliciosas semanas descansando, voltamos com reflexões sobre nossas relações com as redes sociais e o que esse tempo longe dela nos provocou. E fora simplesmente colocarmos o papo em dia, conversamos também sobre algumas das várias coisas que assistimos e lemos nos últimos tempos, incluindo o filme de Assassin’s Creed, Capitão Fantástico, Animais Noturnos, Star Wars Rogue One, a série The OA e mais.

Assine o nosso feed ou baixe o Bilheteria #107 e escute no seu player predileto.

Participantes:

Caio Teixeira
Henrique Sampaio
Heitor De Paola

Assuntos abordados:

1 min – A vida sem redes sociais e com amigos é melhor
28 min – Romance e Assassin’s Creed
53 min – The OA
64 min – Crazyhead
69 min – Capitão Fantástico
74 min – Animais Noturnos
83 min – Star Wars Rogue One
98 min – Chef’s table: episódio 3
108 min – Emails

Música do Final: Meshuggah – Clockworks

O Overloadr é um site movido a amor, a uma incrível comunidade e crowdfunding, especificamente via Apoia.se. Se você gosta do nosso trabalho, considere contribuir com nossa campanha de financiamento coletivo.

Envie emails com perguntas e sugestões para: bilheteria@overloadr.com.br

  • fabio tk

    o overloadr voltou o/

    • Anderson Cardoso

      ê o ê o…

  • Alexandre Cassemiro

    No inicio do podcast, ainda estou ouvindo, vocês falaram sobre não lembrar de 2015 ser “tão ruim” quanto 2016. Só para lembrar alguns casos de 2015: Desastre de Mariana, Atentado em Paris, Baltimore, crise do consumo de água, dolar chegando a 4 reais, o risco Brasil subindo, o inicio da Guerra na Siria e seus refugiados… e por ai vai…

    Eu sou meio que daquele grupo que não liga para essa de ano tal foi bom para o mundo. E ainda tem aquela questão de neurolinguística que nosso cérebro tem uma tendencia a gravar fatos negativos muito mais que os positivos.

    Enfim, 2015 teve coisas ruins para o mundo assim como 2016 teve e 2017 vai ter…

    Bom retorno para vocês! Vou continuar ouvindo!

  • Poxa gente, 345Mbs de podcast meu Moto G não aguenta! x(

    • Anderson Cardoso

      Sou da época (olha o veio falando) em que eu baixava podcast (Nerdrops e Gavestática) em MP3 meu chapa, sabe, aqueles de 1G que tinha tamanho real de 900Mb ?!

      Pois é, hoje em dia o feed facilita bastante as coisas, mesmo assim te entendo rsrs…

  • Julio Cesar

    Agora sim o ano começou! Adorei o podcast e curti bastante da “surpresa” do Matheus no final. Continuem com o bom trabalho 🙂

  • Gabriel PS

    Muito espirituoso o sr. Matheus com essas músicas temáticas que coloca. Gosto muito.

    E curti muito também o ‘quadro’ musical no fim. Bem foda.

  • Onire de Morais

    O seriado de gsatronomia que cês tavam tentando lembrar era cooked mesmo. vlw flws!

  • FHC

    Nefertiti foi mulher de Akenatón e mãe de Tutankamon.

  • Rafael Pradella

    Finalmente, já estava com sdds.

    Adorei a ideia do quadro do Mat(h?)eus sobre a música do final que eu sempre pulava, mas explicando o que é interessante de prestar atenção vocês me fizeram até curtir uma música de metal 😛

  • tiagocartum

    Cara… n consigo entender o porque o Heitor não gosta do Em busca da Felicidade. Maior fell good filme.

    • Heitor De Paola

      Achava que eu tinha mencionado o motivo em um episódio anterior. De forma resumida, eu acho que a mensagem dele é terrível. É um filme que reforça a noção de que seu esforço e trabalho será necessariamente recompensado, colocando o personagem em uma situação que beira a miséria, mas uma da qual ele sai porque se esforça muito. Isso significa que as outras pessoas miseráveis que ele encontra nessa jornada estão nessa condição por culpa própria como se elas não quisessem, tanto quanto ele, ter uma vida digna. E isso me incomoda porque é uma mentira meritocrática. Esforço e trabalho não são sempre recompensados e pessoas não caem numa situação de miséria por não terem trabalhado o suficiente. O filme, no entanto, reforça essa falsidade, levando em frente a ilusão da sociedade americana feita de pessoas “que conseguiram e aquelas que ainda vão conseguir” quando na verdade a maior parte dela irá morrer sem alcançar o que deseja não por culpa própria, mas por culpa de outros que usam de seu poder para manter estático o status quo.

      Claro, todos esses pontos tem mais profundidade, mas resumidamente é isso.

      • tiagocartum

        Entendi, bem, não foi esse o sentimento q eu tive ao assistir o filme. Vi foi mais algo como, o que uma pessoa é capaz de conseguir quando se é dada oportunidade e a agarra. Se sacrificou pelo seu sonho e num misto de sorte, capacidade e sacrifício conseguiu. Ainda mais por ser baseada em história real.
        E porra, não tem como não admirar um cara q consegue resolver um cubo mágico em uma corrida de taxi =D.

  • Luiz Guilherme Silva

    Valeu pela resposta gente! Deu pra esclarecer um pouco 🙂

  • Vanessa Foitte

    Compreendo a necessidade de um período de afastamento das redes sociais, mas acho que existe uma forma mais balanceada de filtrar a timeline para tornar o uso mais pacífico. Não trabalho diretamente com um veículo da internet e por isso não tenho haters, mas consigo manter uma timeline do twitter apenas com pessoas que gosto da minha área e dos meus hobbies, como o Overloadr, além das notícias. Acho que hoje é complicado se afastar totalmente das redes sociais, especialmente no caso de sites.

  • Puruluchu

    Acho estranho criticar um filme pelo tipo de mensagem que ele passa e não pela forma como ele a faz.

    • Anderson Cardoso

      Particularmente quando escuto Heitor, e principalmente o Teixeira. Falando bem de um filme eu não assisto… e não me entenda mal só não vejo no calor do momento saca, quando sai; vejo um tempo depois. Porque dai esqueci o que escutei. Já quando eles criticam ai sim que fico com
      vontade de ver porque sei que será totalmente o oposto!

  • Caras (MATHEUS)

    Muito
    Obrigado
    Pela
    Música
    No
    Final

    Muito amor <3

    • Matheus Leston

      Caro Krull (olha a aliteração)

      Metal
      Sueco
      Do
      Fundo
      Do
      Inferno
      Também
      É
      Amor

      <3

  • rodrigo

    Rolou um Neto Lx ali Matheus?.. Essa percussão eu odeio ( todo carro com som usa e moro perto de varios bares para este tipo de publico)……… E sobre o Anon do menage, tem também ver o desejo da menina se sobre outra mulher ou sobre outro homem na relação, e seu estranhamento pode vir da ideia de que se colocar uma mulher ( um fetiche facilmente construido) e na próxima um homem ( dai vem uma cascata de aceitação que não é proximo de nossa criação sexual)….. Mas… Ja estive nas duas situações, eu me senti menos cobrado quando tinha mais um homem do que uma mulher.( mas teve uma hora que olhei a bunda do cara e pensei.. Talvez?! … Rique eu também tenho zero tesão quando ultrapasso um certo limite pessoal com a bebida, passei desta linha , eu só quero beber e ficar pulandinho na buate

    • Matheus Leston

      trata-se da grande banda luxúria. e essas viradinhas de bateria eletrônica deveriam ser estudadas. são um assunto em si.

      • rodrigo

        tanto o Neto LX quando o Psirico usam percussão mesmo … não sabia que eles usavam eletrônica… acho que tem uma musica do Wesley Safadão que tem o vídeo do tecladista fazendo ela .. na turne EUA dela

        • Matheus Leston

          não duvido que usem percussão, mas essa virada tradicional é bem de bateria eletrônica mesmo!

  • Anderson Cardoso

    Quando cometi meu ‘Facecidio’ há uns bons 3 anos atrás, eu tive os mesmos reflexos que foram citados sobre. Abria o cel e … ué… cadê ? Dai me lembrava – Ah, eu não tenho mais essa merda. Confesso que comecei a passar menos tempo no PC, voltei a ler mais, algo que gostava muito de fazer antes de dormir.

    Entre outras atividades até arrumei um hobbie novo Papercraft. Hoje em dia não sito a menor falta nem do Twitter que aliás só fiz por conta do Overloadr. Eu comecei a acompanhar os Teixeira’s Souls e as vezes não rolava post avisando, dai, fiz twitter para ficar mais atualizado se teria ou não ao invés de ficar que nem bobo dando F5 na página … mentira ainda faço isso! 😀

  • Felipe Valério

    Eu acho que ouviria um podcast inteiro sobre o assunto inicial. E rapaz, quando o Heitor odeia alguma coisa, ele odeia do fundo do coração =P

  • Bruno Thomaz

    Saudações amigos!

    Só passando pra falar que minha vida também melhorou muito depois de sair daquela rede social “cara-livro”. No meu caso eu deletei mesmo a conta já que felizmente não necessito dela profissionalmente. Não perdi contato com quem interessa…. Me sinto mais leve e parece que consigo pensar em coisas que realmente trazem valor para as atividades que tenho que desenvolver. Consigo aproveitar muito mais meu tempo!
    Ainda uso pouquíssimo o twitter e só!
    Parabéns por mais um excelente episódio!
    Abraço !

  • Nelson Rosa Junior

    Fantástico, Matheus. Catch 33 do Meshuggah é um dos álbuns que mais ouvi na vida, acho uma obra singular, apesar de criticarem por ter bateria programada. Arrasou no comentário musical, acréscimo mais do que bem-vindo!

  • Natanael

    q bom ouvir vcs novamente!!! Alguém sabe qual é o gráfico q o teixeira cita no início do cast sobre qts vezes ainda veremos pessoas com as quais convivemos?? E matheus, q tal um podcast seu sobre música?? rsrsrs já tem um ouvinte fiel aqui… =D

  • Luiz Guilherme Silva

    Heitoooor, você é muito chato! Kkkkk
    La La Land é um filme maravilhoso e mágico. Parece que você buscou uma mensagem dentro de algo que busca ser muito artístico, eu gosto muito de como o filme trabalha o amor pela arte, a busca pelo sonho dourado na carreira, o amor perfeito e subverte tudo isso, com que as coisas são normais! Eu adoro as músicas, a coreografia e o final acho absurdo. Já reouvi a trilha duas vezes e saí do filme pensando que era sim um clássico dos musicais. A cena inicial dos carros, é muito corajosa! Me lembrou muito a coragem da cena inicial de Fury Road. A direção é completamente competente e a trilha sonora é musicalmente muito completa. Se você, ouvinte, gosta de musicais e Whiplash, assista isso logo. Love you Heitor

  • Vinicius Siviero

    Por um momento achei que o Heitor estava falando de Animais Fantásticos e Onde Habitam…