O Bilheteria #108 chega recheado de comentários sobre lançamentos, como La La Land, Moana, Eu, Daniel Blake, o seriado de Desventuras em Série e outras coisas mais. E claro, ainda há espaço para o Teixeira falar de filmes de terror ruins, pois é claro que ele ainda arranjaria tempo para isso.

Assine o nosso feed ou baixe o Bilheteria #108 e escute no seu player predileto.

Participantes:

Caio Teixeira
Henrique Sampaio
Heitor De Paola

Assuntos abordados:

0 min – Pato tem pena, humano tem pelo
8 min – Henrique vai comprar a Infogrames
15 min – Eu, Daniel Blake
25 min – Chewing Gum
31 min – La La Land
41 min – Moana
47 min – O seriado de Lemony Snicket’s Desventuras em Série
58 min – Requiem para o Sonho Americano
69 min – A Maldição da Múmia
84 min – Bruxa de Blair (2016)
86 min – Emails

Música do final: Matmos – Very Large Green Triangles

O Overloadr é um site movido a amor, a uma incrível comunidade e crowdfunding, especificamente via Apoia.se. Se você gosta do nosso trabalho, considere contribuir com nossa campanha de financiamento coletivo.

Envie emails com perguntas e sugestões para: bilheteria@overloadr.com.br

  • Luiz Guilherme Silva

    Heitor, você é muito chato! Kkkkk
    La La Land é um filme maravilhoso e mágico. Parece que você buscou uma mensagem dentro de algo que busca ser muito artístico, eu gosto muito de como o filme trabalha o amor pela arte, a busca pelo sonho dourado na carreira, o amor perfeito e subverte tudo isso, com que as coisas são normais! Eu adoro as músicas, a coreografia e o final acho absurdo. Já reouvi a trilha duas vezes e saí do filme pensando que era sim um clássico dos musicais. A cena inicial dos carros, é muito corajosa! Me lembrou muito a coragem da cena inicial de Fury Road. A direção é completamente competente e a trilha sonora é musicalmente muito completa. Se você, ouvinte, gosta de musicais e Whiplash, assista isso logo. Love you Heitor

    • Heitor De Paola

      Eu acho que é chato que é chamar outros de chatos por não concordar com a opinião deles. E veja, eu não estou te chamando de chato mesmo não concordando com absolutamente nada do que você viu no filme. E não entendi direito, você diz que algo buscar ser artístico é diferente dele querer dizer alguma coisa?

      • Luiz Guilherme Silva

        Não sei qual seria o certo pra expressar minha opinião. Acho que o que o filme ofereceu foi muito relacionado à estética, aos exageros, na releitura de aspectos clássicos dos musicais e não em si em uma mensagem ou crítica sobre Hollywood. Entendo você não ter gostado, mas admiro muito o filme por desde a cena inicial, falar “é isso aqui mesmo!”. Poucos diretores teriam a coragem de fazer uma cena daquelas que poderia afastar completamente o público não fã de Broadway. Só achei na sua crítica que talvez você tenha ido com uma expectativa que não foi cumprida! Mas mesmo assim, valeu pelo conteúdo e por me responder <3

  • Luiz Guilherme Silva

    Me doeu ouvir vocês falarem do Neil Patrick Harris e de La La Land no mesmo dia kkkkk

  • Bruno Araujo

    Eu assisti o filme dos desventuras em série depois de ver a seriado, e eu fiquei muito constrangido com o Jim Carrey, não dá não

  • Anderson Cardoso

    Respondendo a questão do Heitor.
    Eu, compraria todas as edições de colecionador de tudo que é games possíveis já lançadas … na Amazon americana.

  • Panqueco

    Obrigado por defender Desventuras em Série, Heitor!
    Pra mim, toda essa “tosquice” proposital junto com a alternância entre comédia e suspense me trouxe um alívio.
    Pode não ser perfeita, mas só por ser tão diferente já me ganhou.

  • Márcio Barbosa

    Acho que o Rique queria lembrar Romeo e Julieta o ballet composto por Tchaikovsky. Também gosto muito da trilha de Tron, high five pro Heitor. o/ E sim! O álbum da máquina de lavar do Matmos é muito bom, obrigado Matheus pela recomendação.

    • riquesampaio

      SIM!

  • Guilherme Gondin

    Alguém tem o Steam do pessoal?

  • O “personagem do Futuro pro Deadpool 2” que vocês não conseguem lembrar é o CABLE, outra criação do Rob Liefeld 😀
    https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/0a/8a/19/0a8a19ee9692a92c26c63836ae8330ad.jpg

    E não é o JK Simons que está cotado, e sim o Stephen Lang (de Avatar)

  • O “personagem do Futuro pro Deadpool 2” que vocês não conseguem lembrar é o CABLE, outra criação do Rob Liefeld 😀

    https://uploads.disquscdn.com/images/3803f6e23eba0580986fa06a99b10c7323425d3843c417420355b7c5b30b281a.jpg

    E não é o JK Simons que está cotado, e sim o Stephen Lang (de Avatar)

    • Rodrigo Martins

      Sim, e o JK Simons está mais em forma por que ele vai ser o Comissário Gordon agora.

  • Hernesto Vautero

    Não é com o mesmo cara que fez o Todo Mundo em Pânico (e que não é nem parecido com o Tom Cruise), mas acho que esse aqui é o filme da múmia

    http://www.imdb.com/title/tt3382842/?ref_=fn_tt_tt_18

    • Engels Marx

      Stuart Rigby o nome do ator que “parece” o Tom Cruise

  • Gabriel PS

    O quadro musical do Matheus deveria se chamar “A Vitrolinha do Teteu”

    ficaíadica.

  • Curti que o Heitor não foi com a cara de La La Land. Ao receber o Globo de Ouro, a Emma Stone (que eu também adoro demais) disse que o filme foi feito para os sonhadores. Mas eu sinto que ele justamente é uma obra muito injusta com os sonhadores. É otimista demais. Porque se você é uma Mia ou um Sebastian da vida real, e não conseguir o que quer (apenas 1% das pessoas em Los Angeles conseguem), o que te resta? O sonho deveria bastar em si, e não a realização dele. Temos outras obras hoje em dia (Crazy Ex-Girlfriend, Hamilton) que trabalham muito melhor a narrativa de um musical de jornada de grandes pessoas talentosas, sem ter que fazer você acreditar que Ryan Goslin e Emma Stone estão dando duro pra ter um lugar no sol. São exatamente pessoas como eles, que estão no padrão de Hollywood, que tornam histórias auto referentes esvaziadas de sentido.

    Quero muito saber o que os outros meninos acharam também.

  • Evandro De Mello Freire

    Olá!
    Não vi ainda o Desventuras em Série, porém pelas entrevistas que vi (inclusive do próprio Neil Patrick Harris) a tosquice e o clima meio caricato é proposital. Ele mesmo diz que canta mal com esse intuito, pois o Conde Olaf é péssimo em tudo que faz.

    Pode até ser que eles tenham perdido a mão nesse sentido e ficou ruim demais, preciso ver a série pra ter uma opinião formada, porém o Heitor está certo e a ideia era essa mesmo.

    Bjs e abraços a todos vcs, seus lindos!

  • Benício

    Coloquem a minutagem do comentário da música do final do programa. Não costumo ouvir os emails.

  • Kalel Mota

    Músicas instrumentais para escrever, sempre fico entre Ruído/mm, Hurtmold, Brian Eno é Nicholas Jaar.

  • Julio Cesar

    Rique, quero te recomendar uma outra série de comédia com perspectiva feminina, chama Insecure. A produtora e roteirista é a Issa Rae, ela fazia uma série pro Youtube chamada Awkward Black Girl e agora está com essa série na HBO que é muito boa, vale a pena dar uma olhada.

  • André Luz

    a virgula sonora para a entrada da “vitrolinha do Teteu” ficou sensacional hahahaha

    • Matheus Leston

      toda a vez que eu ouço aquela harpa eu penso em *emoji de brilho*

  • Darth Paul Poor Traaais

    Só pra sugerir o nome do quadro do Matheus: “Matheus, indica mas explica!”

  • Engels Marx

    Não sei se considero La La Land um musical pois, apesar de usar dessa linguagem, não consigo colocar ele na mesma classe de filmes como “Os Miseráveis” onde todas as ações são cantadas. Pra mim as partes musicais são mais pra demonstrar emoções, seja a esperança de conseguir algo em Los Angeles mesmo enquanto você está preso no trânsito, pra mostrar as pessoas se apaixonando ou então pra mostrar a emoção durante uma atuação. Por isso que depois de uma dança a vida segue normalmente como se nada “anormal” tivesse acontecido. O filme ter boa parte de sua história sem canções e a escolhe de atores que não são bons dançarinos/cantores mostram pra mim que esse não era o foco. Na minha opinião o diretor quis, além de homenagear essa época, dar uma atualizada no conceito e trazer essa ferramenta para filmes novos.

    Outro ponto que achei bem foda foi o roteiro com duas pessoas sonhadoras que basicamente não faziam mais do que sonhar. Ambos tiveram que sair da própria zona de conforto, a personagem da Emma precisou de um empurrão do Ryan pra se arriscar mais e deixar de ser apenas mais uma ruiva e se destacar, o do Ryan teve engolir sapos e fazer o que não gostava pra atingir seus objetivos. Mesmo assim eles não conseguiram “tudo”, essa tapa na cara da realidade para os sonhadores foi muito bem feita.

    Sobre Desventuras em Série, também fiquei decepcionado com o NPH. Não conhecia ele fora de How I Met Your Mother e deu pra perceber que ele é sempre o Barney, as fantasias dele pareciam algum move do playbook haha. Concordo com o Heitor que alguns efeitos são de propósito pra parecer mais cartunesco, mas aquela boneca da Estrela que colocavam como a bebê me incomodou bastante.

    • Heitor De Paola

      *spoiles*

      Isso sobre a zona de conforto que eu sinto ser uma contradição dentro do filme, cujas consequências não são merecidas. É estabelecido que os dois só vão em direção ao sonho graças ao esforço um do outro. Mia só ganha o papel no filme por ter montado a peça, empurra pelo Seb, e o Seb só sai da banda que considera ruim e leva o sonho do bar em frente porque a Mia aponta isso. E aí, sem que nada mude em relação a isso, os dois PRECISAM estar separados para que o sonho venha a fruir, porque precisam estar “100% dedicados” por assim dizer. Porém foi pre-estabelecido que o apoio e ajuda que vem do outro que os levam a ter o que desejam, fazendo com que toda essa consequência e o “fardo” imposto pelo outro sejam forçados e sem motivo.

      • Engels Marx

        *SPOILERS*

        Tive uma interpretação diferente aí também. O outro serviu pra abrir os olhos, não necessariamente pra dar o apoio. E também não achei que eles PRECISAM estar separados pra o sonho continuar, o filme não deixa nem saber como eles tentaram. Fiquei com a impressão que a vida simplesmente seguiu e aquela foi a consequência das decisões, deu uma cara mais “real” pra mim.

    • Nada do que você apontou contradiz o filme ser um musical. Nem todo musical as pessoas cantam todas as falas ou ações. O filme inclusive abre com um musical super obviamente um musical, no transito, todo mundo dançando igual loucos, exatamente pra mostrar que “olha, vai ser um musical, e vai ser em Los Angeles, e se você entrou sem querer no cinema ainda da tempo de ir embora pegar outro filme”. O diretor falou isso se não me engano numa entrevista que eu vi outro dia. O que eu achei bem bobo, (apesar de saber que foi em tom de piada) pois não conheço cinema hoje em dia que de pra você sair de um filme e entrar em outro sem pagar de novo.

  • Jao

    @disqus_1BxKF6xfxN:disqus , depois tenta dar uma olhada no album do Moana e ouve a “How far I’ll go” sendo que cantada pela Alicia Cara e a “You’re Welcome” com o Jordan Fisher e o Lin-Manuel Miranda.

  • Daniel Braga

    Espero q isso não soe como hate, mas esse programa é um exemplo de pq eu não costumo baixar o bilheteria. Ouvindo o Heitor falar de lá lá land, parece um “critico tênis verde”. Tenho q me esforçar pra lembrar q vc é um cara q faz conteúdo autoral e essa é a sua opinião honesta.
    Não acho q todos os filmes tem q ter uma mensagem. Este me marcou pela emoção e poesia….É necessário estar de coração aberto para isso.

  • Vinicius Siviero

    Tem uns 300 filmes “A Maldição da Múmia”, de qual ano é esse ai Teixeira?

    • Vinicius Siviero

      Achei uma mulher soterrada em Ancient Evil: Scream of the Mummy

  • Fabiano Novaes Ferreira

    O filme merda de múmia deve ser “Ancient Evil: Scream of the Mummy” de 1999 que tem a sinopse no IMDB de “Six young archaeology students discover the remains of an ancient Aztec mummy and accidentally unleash the fury of an evil god.” link http://www.imdb.com/title/tt0231138/

    Eu me divirto com as porcarias que o Teixeira assiste porque também curto ver filmes trash (e trash zoados).

    sugiro aos senhores pelo menos uma lida nos filmes produzidos pela maior produtora TRASH dos anos 2000 que é a The Asylum (http://www.imdb.com/company/co0042909/). Além de produzir um monte de lixo (às vezes divertido) eles também são distribuidores de mais porcarias produzidas mundo afora.

    A The Asylum é responsável pela série Sharknado mas tem a sensacional missão de lançar filmes com nomes parecidos com grandes filmes próximo aos mesmos como por exemplo:

    -In the name of Ben-Hur no mesmo ano que saiu a refilmagem de Ben-Hur
    – Os caçadores de fantasmas no mesmo ano que a refilmagem As Caça Fantasmas
    – AE Apocalipse Earth (copiando o nome do filme do Will Smith com o filho dele)

    Além de lançar uma série maravilhosa (de ruim?) de filmes de tubarão como os filmes do MegaShark (que tem o filme com o crocossauro que é tão ruim que é bom. de ruim), tubarão de 3 cabeças, planeta de tubarões. é uma tara lá dentro isso.

    A The Asylum tenta agora ser o que foram a Golan-Globus (http://www.imdb.com/company/co0206391/) e a Cannon Group (http://www.imdb.com/company/co0044937/) nos anos 80. Vejam os filmes destas duas e morram afogados em lembranças de filmes ruins divertidos pra caraco.

    Comando Delta, Cyborg, Kinjite, os Braddock’s, Mestres do Universo (o filme do He-man), Superman IV, FORÇA SINISTRA (assistam esse filme), American Ninja, Desejo de Matar (do 2 em diante), Guerreiro Americano, Falcão o campeão dos campeóes, Stallone Cobra, As minas do rei salomão e por aí vai.

    só crássicos.

    PS, o programa tá sensacional como sempre, eu que estou mega atrasado nos casts.