O MotherChip #127 começa com uma intervenção, mas depois disso seguimos nosso curso normal e começamos a falar sobre videogames. Neste edição, conversamos sobre Mass Effect Andromeda, Rain World, Snake Pass, diversos remasters que foram anunciados, coisas que não tinham sido anunciadas que achávamos que tinham e outras coisas mais.


Assine o nosso feed ou baixe o MotherChip #127 e escute no seu player predileto.

Participantes:

Bruno Izidro
Henrique Sampaio
Heitor De Paola

Assuntos abordados:

0 min – Bruno Izidro e os Red Bulls
11 min – Mass Effect Andromeda
40 min – Ballistic Overkill
55 min – Snake Pass
60 min – Rain World
69 min – Notícias
92 min – Emails

Música do final: ANOHNI – Paradise

O Overloadr é um site movido a amor, a uma incrível comunidade e crowdfunding, especificamente via Apoia.se. Se você gosta do nosso trabalho, considere contribuir com nossa campanha de financiamento coletivo.

Envie emails com perguntas e sugestões para: motherchip@overloadr.com.br

  • Um esclarecimento sobre o padrão de cores comentado na leitura de emails: Aqui no brasil o padrão adotado até hoje para a TV analógica é o PAL-M. Ele é uma mistura de dois padrões: o NTSC-M (que todos chamam apenas de NTSC) e o PAL-N, um padrão comum nas TVs analógicas europeias. Daí temos o seguinte:
    – PAL-M e NTSC são compatíveis no padrão de imagens, mas não no de cores. Logo, conteúdo transmitido em um sistema chega em preto-e-branco no outro, mas a imagem está lá.
    – PAL-N e PAL-M não são compatíveis. A imagem simplesmente vira um ruído, e pouco importa as cores. A imagem fica toda embaralhada na tela

    O que acontecia na prática: no início nenhuma TV era compatível com NTSC, a não ser as importadas de Miami e afins, que para poder assistir a TV aberta daqui, tinha que usar um conversor de imagem entre a antena e a TV, para trocar de um padrão para o outro. Mesma coisa acontecia com os videogames e videocassetes importados: eles emitiam um sinal geralmente em NTSC na saída, que se a TV não fosse compatível iria ficar em P&B. Com o tempo isso foi meio que perdendo relevância para nós porque:
    – os novos videocassetes passaram a ser bi-modais: gravavam a imagem de entrada tanto em NTSC quanto em PAL-M (às vezes até PAL-N, também). Tanto que nas configurações você poderia definir qual o formato de imagem será gravado na fita e/ou “cuspido” na saída para a TV (e ele faria a conversão necessária, se fosse o caso)
    – as TVs também passaram a ser bi ou tri-modais, aceitando automaticamente como entrada o NTSC, o PAL-M e às vezes o PAL-N (daí pouco importava se o eletrônico a ligar nela era importado ou não, as cores sairiam)

    Isso tudo MORREU com o formato digital, onde não existe mais essa informação analógica para combinar imagem com cores e dar um resultado final: é tudo pixel, em imagens digitais. As únicas restrições que ainda podem existir atualmente são a taxa de quadros por segundo do conteúdo: algumas TVs (poucas), por exemplo, não reconhecem taxas como 25 FPS, que é padrão no sistema digital Europeu (o nosso é o de 29,97 quadros. Ou, mais precisamente, 30000/1001 quadros por segundo, para TV aberta. Para filmes é o típico 24 quadros/segundo)

  • El Luchador

    OW!

    Final Fantasy 8 é o pior mesmo.
    Realmente não gosto desse jogo. Nem na época gostei.

    Tactics é o meu favorito DA VIDA.

    MAS diria pro ouvinte jogar o 9.
    É o mais amigável.
    E muito bom.
    Um dos meus preferidos.
    😀

  • Achei que vocês iam falar de Rimworld ao invés Rain World, fiquei triste quando começaram a falar de minhoca ~lesma~ hahah

  • Bruno Leao

    R.I.P. Izidro

  • Victor Hugo

    Mano esse vício em redbull é fichinha, tinha um colega que trampava comigo, que todo dia ele comprava uma coca de 1,5l

  • Victor Hugo

    O play1 do meu primo na tv da minha casa ficava em preto e branco