Neste MotherChip #143 tivemos conversas sobre jogos recentes, como Pyre e Splatoon 2. Teixeira retorna para relatar o que tirou de Inside e seus problemas com jogos que não o incentivam a usar de todas as possibilidades ali oferecidas, algo que ele sentiu com Just Cause 3. Fora isso, especulamos que jogos poderiam estar em um Nintendo 64 Classic, as vendas do Nintendo Switch e mais.


Assine o nosso feed ou baixe o MotherChip #142 e escute no seu player predileto.

Participantes:

Caio Teixeira
Henrique Sampaio
Heitor De Paola

Assuntos abordados:

1 min – Palmas, parabéns e galinha pintadinha
5 min – Pyre
19 min – Splatoon 2
34 min – Inside
47 min – Just Cause 3
63 min – Beta de Destiny 2
67 min – Notícias
85 min – Emails

Música do final: Squarepusher – Hello Meow

apoiase

 

  • Henrique Alves

    Infelizmente não gostei de pyre,como evitei ver o que seria o jogo fora o trailer que mostra algo mais animado mas no fim das contas é um livro com dosagens de ação.Com 3 horas de jogos a media q senti foi 95% historia 5% ação e olha que aumentei o nivel das partidas pra poder demorar mais pq no inicio era bem rapido e facil.

    • Heitor De Paola

      É, a maior parte do tempo é lendo conversas e textos, sem dúvidas. Ainda mais se você for ler cada nova entrada que aparece no livro.

  • Carlos Junior

    Uma correção: O jogo de programação que o autor do email se referia é o Human resource machine, e não o quadrilateral cowboy e factorio como foi dito (mas esses também são bons jogos que apresentam alguns conceitos de programação). Outros que eu recomendaria são infinifactory e Hack n slash, que eu acho que até já foi citado pelo rique em algum podcast.

  • Andre Asai

    Cara, a média de partida do Pyre é 5-8 minutos, e o tempo total de jogo é em média 11-12 horas

    • Andre Asai

      E não sei se vocês sentem a mesma coisa, mas para mim o core do game design deles é sempre brilhante, mas o que eles sempre pecam e em variar os desafios dados ao jogador. Transistor tinha um sistema brilhante de combinação de poderes, mas pelo que me lembro, tinha 4 a 5 tipos de inimigos só. O Pyre mitiga um pouco porque ele vai combinando as 8 classes de jogadores existentes, mas ele não equilibra bem, porque a estratégia vencedora é sempre ter personagens rápidos e pular em direção à pira adversária. Mas se outro estúdio levasse o gameplay do pyre pra frente, ia virar um esporte arcade muito mais divertido.

      • Heitor De Paola

        Total. Eu até falei isso no vídeo que ainda vai ao ar, mas tem um desequelibrio claro, os personagens rápidos tem total vantagem e nada te impede de só correr até a pira inimiga e saltar nelas.

        Não lembro mais a essa altura dos inimigos do Transistor, mas lembro que, ao menos na primeira vez, nada demandava que você explorasse as diferentes estratégias. Isso até aparecia no New Game Plus porque a dificuldade escalava, mas eu não tinha gostado da primeira vez então não vi motivos para jogar uma segunda.

        Eu sinto que tem sempre um problema em escala de desafio mesmo. Parte disso eles relegam ao jogador, permitindo que ele ative coisas (que volta no Pyre), mas as recompensas nunca valem a pena. No Pyre mesmo, mesmo sem os boosts de experiência eu cheguei ao nível máximo com a maioria dos meus personagens.

        Mas tendo terminado desde então, eu ainda acho que saí com uma experiência positiva, pelos personagens legais, o mundo bonito e a lore bem interessante. Eu só acho que preferiria que fosse inteiramente uma visual novel.

    • Heitor De Paola

      Olha, eu até fui medir depois do podcast. Minha média das partidas era entre 2~3 minutos. Eu terminei tendo lido praticamente tudo (fiquei de saco cheio de lore do livro depois de um tempo) em cerca de 7 horas.

  • Falou mal de INSIDE perdeu a razão. Só falta dizer que não gostou de Wall-e também!!!

    Aposto que gosta de Uncharted risos.

    Mas ama Journey <3

    Tá perdoado.

    Fim

    • GotToGetBack, back to the past

      rsrs

      Normal

      Teixeira não gosta nem de Mario…

  • Anderson Cardoso

    Estou ouvindo ainda a parte em que alguém pede dicas sobre game e programação.

    Tem o Kano que é uma distro Linux para quem quer aprender a programar direcionado ao publico infantil.

    Segue:
    https://www.youtube.com/watch?v=5xkPm-r5JsY ese é o review do canal ETA Prime bem interessante.

  • Caio_RB

    Faltou falarem que o 1-2 Switch vendeu 1,22 milhões de unidades. Não estava no press release da Nintendo no relatório fiscal dela mas no site estava:
    https://www.nintendo.co.jp/ir/en/finance/software/index.html

  • André Matulionis

    Queria fazer uma crítica ao Henrique que espero que seja construtiva. Há muito tempo que noto que ele não aceita que o mundo real não é da forma que ele visualiza, e fica “irritado” por isso.
    Nesse episódio, por exemplo, ele explicava o INSIDE ao Teixeira, sem aceitar o fato de que existem pessoas que não gostam do jogo. Outro exemplo, no melhores do ano ele ficou nervoso com Doom porque era um “jogo de matar monstros”. Praticamente todo episódio percebo isso.

    Eu mesmo coloco INSIDE como um dos melhores jogos da década, mas defendo o direito do Teixeira não gostar. Amo a sua opinião Rique, gosto muito de sua visão artística dos jogos, mas peço que aceite a visão dos outros, porque você não precisa estar certo o tempo todo.

  • GotToGetBack, back to the past

    Esse e-mail sobre a “dúvida técnica da taxa de quadro” já não tinha sido lido? Que dejavu doido!

    • Heitor De Paola

      Era um comentário no MotherChip retrasado, então você possivelmente o leu no site antes de nos ouvir o lendo.

  • Tiago Xavier

    Aí a lista de speedruns de The Sims 4 http://www.speedrun.com/The_Sims_4#Maxed_Job

  • Leonardo Schmidt

    Em relação à notícia da ausência do Just Cause 3 na PLUS BR, achei as críticas bem brandas da parte de vcs e ainda ouço o Teixeira referir: “eu tenho a PSN US”. Sinceramente, sei que a galera na internet já está fazendo barulho, mas é impressionante ver a forma como vcs são condescendentes com os erros da Sony. Ela pode fazer qualquer merda, mas como ela tem a mídia na mão, ótimos advogados/jornalistas, ela trata o brasileiro como um lixo e e vcs assinam embaixo. Fiquem tranquilos, não sou ouvinte de vcs, escutei o podcast por acaso, mas de cara já dá pra taxar de mais um podcast sonysta. Abraço.

  • XChoramHunter Br

    Pra baixar, o nome ta errado, ta 142 ao invés de 143.

  • Paulo Henrique

    Just Cause 3 ficou livre p/ PSN BR por alguns minutos, até tirei prints. http://imgur.com/a/C3kfH

  • titorck

    Discordei das opiniões do Teixeira hoje, e geralmente é o contrário. Achei LIMBO intrigante e instigante, justamente por entregar poucas pistas sobre o enredo, e isso ajuda muito até quando a história é aparentemente simplória. Já o Journey não achei nada de mais, não me cativou o suficiente para achar essa obra prima que quase todos amam.. INSIDE infelizmente não joguei ainda.

  • Thiago Dunguel

    Quanto ao jogo sobre programação mencionado pelo ouvinte nos e-mail, acredito se tratar de Human resource machine, do mesmo estúdio que fez Little Inferno. Tem vários muito bons com essa mecânica como Hack’n Slash, da Double Fine (um Zelda-like onde no lugar de bater nas coisas sua espada é um Pen drive que vc usa pra reprogramar os elementos do jogo) e no mobile tem GladiaBots (onde vc programa unidades com inteligência artificial para combater taticamente). Mas tem muito mais… Tem uma tag na Steam, inclusive.