Retornando de modo triunfal, Bayonetta 2 é uma merecida continuação do jogo de 2009 no Wii U. Com os mesmos exageros e ação de boa qualidade que marcaram o primeiro título da série, Henrique Sampaio e Heitor De Paola mostram que você não perde a classe quando mata dezenas e dezenas de anjos, ou quando sua roupa – feita do seu cabelo – se transforma em um grande demônio, deixando-a momentaneamente nua no campo de batalha.

  • Dimas

    mó gostosa.

  • Lukas Leite

    Bayotetta né!

  • Platynews

    A Bayo é totalmente drag queen …. o problema é que por mais caricata que seja a sexualização , se for comparar a sexualização pela sexualização, existe pouca diferença entre os closes do jogo e os do Dead or Alive Beach Volleyball.

    Como disseram no Neogaf, é uma otima personagem com o Cameraman mais pervertido e machista da história =P

    • Concordo. Por mais que seja irônico como o Heitor disse, ainda acho que a personagem quase nua ainda existe. O jogo continua a atrair compradores por causa disso, mesmo que seja pelo motivo errado…

  • Manoel Ricardo

    achei o shuffle um pouco afobado e no final ficou meio confuso. kafka é uma das armas novas, é um arco e flecha que solta flechas em formatos de insetos (dai o nome de kafka em referencia ao livro metamorfose), bastava o rique ter pausado um pouco o jogo e mostrado na tela de equipamentos.

  • Fernanda Moura

    Não tenho problemas em jogar mesmo sendo mega “machista”! Adorei o primeiro e jogarei o segundo!

  • Pingback: Análise: Bayonetta 2()

  • Thiago Sgrilli

    Gostei do vídeo. Ainda não me faz querer comprar um Wii U, mas parece um bom jogo. Tão bom quanto o primeiro. Mas, a única coisa que eu fiquei em dúvida é: Onde foi que o garotinho conseguiu o Enigma do Milênio ? Ele quer duelar com a Bayonetta ?

    Vocês acreditam no coração das cartas ?