Battlefield 1 troca os cenários modernos vistos atualmente na maior parte dos jogos de tiro pela Primeira Guerra Mundial.

Neste Shuffle exploramos a campanha do novo título da DICE. Tirando poucas exceções (como Bad Company), a parte solo nunca foi o forte de Battlefield e isso continua sendo verdade em Battlefield 1. Mesmo com um tom de reverência e respeito a essa combate, que foi especialmente devastador e sangrento, a curta campanha tem personagens pouco interessantes e objetivos sem graça. Sua qualidade varia entre medíocre e ruim.

Battlefield 1 terá lançamento geral no dia 21 de outubro, para PC, PlayStation 4 e Xbox One.

  • Respeito muito a opinião de vocês, mas acho que por ter ouvido todos Motherchip tem coisas que soam muito contraditórias. Em jogo open-world ou sandbox vejo o Rique sempre cobrando que podia ter sido algo mais fechado, mais contido, agora em uma narrativa curta com script ele reclama de não existir mais liberdade, hmmm? A história foi evidentemente dividida pra focar nas variadas features do jogo, isso tá longe de ser algo negativo e na verdade não existe essa “perda de progresso”, a recompensa existe justamente em variar sua jogabilidade com narrativas diferentes. Eu acharia deprimente se existisse lojinha e seria apenas chato se fosse uma única ótica em um conjunto de mapas / batalhas tão interessantes e variadas.

    Espero que o Heitor se divirta com o multiplayer, os cenários abertos geram muitas possibilidades de ação, provavelmente você vai querer aplicar o que absorveu do single-player.

    • riquesampaio

      Eu não joguei, meu único contato foi com o que eu estava vendo e com as opiniões do Heitor. Sim, eu gosto de narrativas mais contidas, de jogos que respeitam o tempo do jogador, e por isso mesmo me interessei pela campanha de Battlefield 1. Eu particularmente achei mto interessante a ideia de controlar vários personagens, com diferentes perspectivas, e perceber que ele fugia do lugar comum para shooters anuais. Mas se as histórias são pobres, não há muito que salve, quando as mecânicas são tão diretas ao ponto e guiadas pela narrativa.

  • Jonathan Menegalli

    nossa, a dublagem do carinha parece narração de comercial de carro

  • El Luchador

    Só quero jogar com os gráficos no ultra e sentir o sangue misturado com lama e xixi espirrando na minha cara.

    (too far? õ.õ)

    • Anderson Cardoso

      So far so good!